Um texto meio “sei lá”

Comecei abrindo um documento do Word, sem saber o que exatamente eu queria dizer. Mas escrever tem disso: a gente sente quando há necessidade. Talvez seja para falar sobre os últimos dias, ou sobre os últimos meses do ano, eu não sei ainda. Fico procurando uma linha de pensamentos e realmente acho que tem um gato rolando esse novelo e tirando o fio da meada das minhas mãos.

“Sei lá” nunca foi um termo que eu gostei muito de usar, mas esses dias andam tão “sei lá” que nada pode definir melhor. Sei lá é tipo sopa, pode ser, mas sei lá… Ou água morna, não serve pra chá, pra chimarrão, pra café, nem praquelas bolsas de esquentar o pé no inverno. “Sei lá” é tipo tanto faz, não quero pensar, uma forma de fuga, algo insignificante, não vamos mais falar sobre isso.

É quando você está caminhando na calçada em um dia de sol quente e seu dia está tão ruim que, se alguém te convida a atravessar a rua porque lá tem sombra, você diz “sei lá”. Pode ser que seja melhor, mas o esforço que tem que ser feito pra ir até lá não é o que você está disposto a fazer. “Sei lá” é quando você não quer pensar ou argumentar ou reagir sobre algo.

Esses dias andam muito “sei lá”, não quero o esforço de pensar sobre eles ou falar qualquer coisa além disso. Não quero reagir sobre nada. Quero sentar no banquinho da praça e ficar olhando o “sei lá” até ele se cansar de mim e ir passando, em busca de outra vida para se abrigar temporariamente.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s